Foram apontadas as reformas necessárias para que o circuito paraibano receba homologação.

O Autódromo Internacional da Paraíba reúne condições de sediar provas do calendário nacional de automobilismo, bastando reformas pontuais e aprimoramento da segurança para ser homologado pela Confederação Brasileira de Automobilismo. Esse foi o consenso entre os integrantes da Comitiva CBA, que visitou a pista na sexta-feira, 12.

O presidente Giovanni Guerra pôde compartilhar seu entusiasmo com importantes lideranças do esporte que com ele lá estiveram, como o tricampeão Nelson Piquet, o controlador da Stock Car Lincoln Oliveira e o promotor do campeonato Turismo Nacional Angelo Corrêa, além de pilotos, dirigentes esportivos e especialistas em autódromos.

O primeiro compromisso do dia foi com o governador João Azevêdo, que ouviu um relato sobre as potencialidades de a Paraíba ser a “porta de entrada” do automobilismo nacional na região.

“Dentre todos os autódromos do Nordeste, o da Paraíba é o que está com a estrutura mais próxima do ideal. Após algumas adequações, poderemos ter aqui provas da Turismo Nacional e, mais para a frente, a Stock Car”, disse o presidente.

Nelson Piquet reforçou a importância do estado no plano estratégico da CBA, que não se resume a realizar uma competição isolada, mas busca abranger outros circuitos, referindo-se aos de Pernambuco e Ceará, que possuem autódromos em Caruaru e Eusébio, respectivamente.

“Estamos aqui para somar, trabalhando na busca de soluções para tornar esse projeto em realidade”, explicou o ídolo da Fórmula 1.

Para o governador Azevêdo, a iniciativa da CBA encontra ressonância no esforço do governo em prol do turismo, destacando investimentos no Polo Turístico Cabo Branco, em João Pessoa. A logística também é um diferencial positivo, pois é de 40 km a distância entre João Pessoa e São Miguel do Taipu, município onde está localizado o autódromo. “Nossa gestão está à disposição para contribuir no que for possível para a realização do evento”, determinou o governador.

Piquet acelerando na Paraíba

Além das instalações, o traçado foi avaliado pelos pilotos Nelson Angelo Piquet e Renato Constantino. Os carros utilizados – um Ford New Ka do Turismo Nacional e um protótipo Spyder – foram cedidos pelos paraibanos Carlos Machado e Daniel Ribeiro Coutinho, respectivamente.

“Para receber a Turismo Nacional, a pista tem condições”, avaliou Constantino, que também corre na categoria e é presidente da Federação de Automobilismo do Distrito Federal.
Elencou a necessidade que algumas adequações, como lâminas de guard-rails, complementos de zebras, barreira de pneus em alguns pontos. “É preciso melhorar a entrada de box, muito apertada e praticamente no traçado da curva da vitória. No mais, uma boa limpeza nas áreas externas”, completou o piloto dirigente, acrescentando se tratar de uma pista plana, com muitas áreas de escape.

No processo de inclusão do Nordeste no calendário nacional liderado pelo presidente Giovanni Guerra, os esforços não estão voltados apenas para a Paraíba. Já está sendo organizada visita semelhantes a Eusébio, no Ceará.

Essa diversificação representará condições para que uma categoria possa se dirigir ao Nordeste para mais de um evento, o que permitiria melhores condições para viabilizar economicamente a iniciativa. Essa é a visão de Lincoln Oliveira, que vislumbra a possibilidade de a Stock Car cumprir no futuro uma agenda nordestina, antes de descer para o Sul do país.

Oliveira explicou que “a pista precisa sofrer várias melhorias e acabamentos para receber a Stock Car, mas agora é entender os custos. Para 2022, temos o interesse de levar a Stock Car para a região”, explicou. Destacou ainda que “Giovani fez um ótimo trabalho em conectar a todos nesta comitiva. Governo, federação, confederação e promotor agora devem seguir com a lista de pendências”, completou.

A promotor do Turismo Nacional também tem olhos para o Nordeste já há algum tempo. Angelo Corrêa projetou uma espécie de festival de verão para sua categoria que englobasse provas em dois finais de semana, transporte, hospedagem e lazer para as famílias. Embora não tenha sido possível concretizar, vê com bons olhos a pista paraibana como ponto de partida para esse propósito. E ainda em 2021.

Considerou boa a pista de São Miguel de Taipu e prevê não ser difícil resolver algumas questões para receber o Turismo Nacional. Sugeriu inverter o sentido das corridas para horário, que eliminaria as dificuldades na entrada dos boxes, bastando construir novas zebras. Lembrou, entretanto, que as exigências de sua categoria são menores do que a Stock Car.

Corrêa acredita que a melhor maneira de o Turismo Nacional estrear na Paraíba ainda em 2021 é no formato de festival. Seria uma espécie de batismo da pista para ingressar no calendário oficial de 2022. Para tanto, imagina que julho seria um bom período para a experiência.

Quaisquer que sejam as programações que a partir de agora possam ser feitas, fato é que o automobilismo brasileiro “invadiu” a Paraíba e o comprometimento das partes é tão grande que é questão de poucos meses para que esse objetivo se torne realidade.