Situação prejudica eventos regionais, nacionais e internacionais.

 

f1 interlagos mclaren

Tal qual o calendário 2021 da F-1, a etapa brasileira do campeonato mundial da categoria ocupará tries meses e meio do calendário oficial do Autódromo de interlagos e continua ganhando ares conturbados. Após o vereador Rubinho Nunes (Patriotas) questionar o contrato firmado entre a empresa MC Brazil Motorsport Holding Ltda, vazou a informação de que provas de caráter internacional com mais de cinco pilotos estrangeiros só poderão ser realizadas em Interlagos (foto de abertura/McLaren)  com anuência dessa empresa. Em princípio isso afeta o ainda inédito TCR South America, campeonato de carros de turismo que deverá ter uma de suas três etapas brasileiras no circuito paulistano.

A renovação do acordo entre a prefeitura de São Paulo, a Liberty Media e a MC Brazil Motorsport segue o formato aplicado nas negociações que garantem a realização de Grandes Prêmios de Fórmula 1 ao redor do mundo. É certo que o contrato com cada país tem variantes cabíveis a cada caso: é difícil imaginar que as a autorização para realizar corridas internacionais proposta para Interlagos seja exigida no acordo que garante o GP da Grã-Bretanha, em Silverstone. No que toca ao Brasil o tema não é novidade: quando a F-Indy experimentou um dos seus períodos de expansão mais duradouros as tentativas de realizar uma etapa em Interlagos foram aniquiladas.

O que torna o tema mais intrigante e aberto a conjecturas das mais diversas são as cláusulas contratuais que exigem segredo em torno desses contratos: afinal, trata-se de negócios envolvendo altas somas, interesses políticos e uma boa dose de decisões pouco claras. Uma dessas decisões é o período em que o autódromo de Interlagos fica fechado para adequações e reformas para receber a F-1: de acordo com a edição de 10/12/2020 do Diário Oficial do Município, o autódromo está reservado à F-1 dos dias 25 de agosto a 14 de dezembro, algo incongruente com o que acontece em outras pistas. Nesse período está incluída a realização do Festival Lollapalooza (25/8 a 22/9), além de um de quatro “eventos estratégicos”, no caso para os dias 17, 18 e 19 de dezembro.

Certamente tal cronograma leva em consideração a tradição brasileira de tratar obras públicas com descaso e a prática de superfaturamento que explora soluções raramente adequadas e apropriadas para o fim a que se destinam, caso do encurtamento do traçado paulistano e as instalações do paddock. Evidente que serviços de manutenção são necessários e incluem pequenas obras, porém é difícil encontrar um autódromo que foi tão reformado quanto Interlagos e continua apresentando soluções longe do que seria ideal para o fim a que se destina. Pior: em nenhum outro a sua finalidade principal – uso por atividades de esporte a motor -, é tão cerceada.

Contratações na F-1

Dinamarquês Frederik Vesti é nova aposta da academia de pilotos da Mercedes (Prema)

Dinamarquês Frederik Vesti é nova aposta da academia de pilotos da Mercedes (Prema)

No plano internacional a FIA anunciou a contratação de Tim Goss, ex-diretor técnico da McLaren, para trabalhar na elaboração e refinamento do regulamento técnico que entrará em vigor em 2022. Em paralelo a Mercedes anunciou a inclusão do dinamarquês Frederik Vesti para sua academia de pilotos e a Williams confirmou o israelense Roy Nissany no posto de piloto de testes; Nissany também já foi escalado para participar de um dia dos três que compõem o período de testes de pré-temporada.

Roy Nissany continua como piloto de testes da Williams por mais uma temporada (Williams)

Roy Nissany continua como piloto de testes da Williams por mais uma temporada (Williams)