Iniciativa visa popularizar, entre os kartistas brasileiros, o equipamento utilizado nas mais importantes competições do mundo.

Desde 2016 as principais competições de kart do mundo, o WSK, o Europeu e o Mundial de Kart, utilizam como equipamento padrão os motores da classe OK. Mais modernos e eficientes, os motores OK são utilizados nas categorias OK Júnior, para pilotos com idades entre 12 e 14 anos, e OK Sênior (ou simplesmente “OK”), para pilotos acima de 14 anos.

Algumas diferenças importantes podem ser observadas nos motores da classe OK em relação aos utilizados no Brasil, entre elas a utilização do limitador de giro, que preserva o motor, e de um sistema de balanceamento do virabrequim, que além de também ajudar a preservar o motor, evita a trepidação excessiva que é transferida para os chassis, provocando trincas.

Tudo isso resulta em uma vida útil muito maior dos motores e menos danos aos chassis, representando grande economia aos praticantes. Além disso, mesmo com o limitador de giro, os motores têm cerca de 5cv a mais do que os utilizados atualmente no país, aumentando o desempenho e o prazer de pilotar.

Por fim, a classe de motores OK já tem, na Europa, os três maiores fabricantes desenvolvendo os motores há anos. IAME, Vortex e TM disputam milésimos de segundo nas principais competições do planeta, gerando uma competição saudável e que estimula a evolução e a concorrência entre as marcas, beneficiando os pilotos.

No Brasil, a classe OK começou a ganhar força com o anúncio da realização do Campeonato Mundial de Kart no Kartódromo Internacional de Birigui, o Speed Park. A classe teve as primeiras corridas disputadas no país durante o Troféu Ayrton Senna, realizado em janeiro no Speed Park, com grande aprovação dos pilotos.

Mesmo com o adiamento do Mundial de Kart no Brasil para 2021 em função da pandemia, as movimentações para a implantação definitiva das categorias no país continuam. O Speed Park terá as classes OK e OKJ nas quatro etapas da Copa Speed Park, que estão marcadas para 29 de agosto, 26 de setembro, 17 de outubro e 21 de novembro, além do Campeonato Brasileiro de Kart Pro Honda, que será realizado entre 7 e 19 de dezembro.

E para estimular ainda mais à participação, o Speed Park e alguns importadores estão oferecendo grandes benefícios aos praticantes. Do lado do Speed Park, os pilotos que fizerem a inscrição antecipada para as quatro etapas da Copa Speed Park ganharão 50% de desconto no valor das inscrições e também nas taxas de treinos livres durante todo o período de preparação para a competição. Já os importadores dos motores Vortex e TM custearão as inscrições dos pilotos que utilizarem seus motores no Campeonato Brasileiro de Kart Pro Honda.

“São benefícios incríveis que o Speed Park e os importadores de motores Vortex e TM estão oferecendo aos pilotos das categorias OK e OKJ. É a maior oportunidade para os pilotos conhecerem a categoria, terem contato com os equipamentos utilizados na Europa e até para iniciarem a preparação para o Campeonato Mundial de Kart no Brasil em 2021.” afirmou Ricardo Fávaro, CEO do Speed Park.

“Estamos tendo a grande oportunidade de oferecer aos pilotos e clientes do Brasil os motores OK Jr e OK, que são os motores homologados pela CIK FiA para o Campeonato Mundial de Kart, que será realizado no Speedpark em 2021! Além de ser o que há de mais novo no mundo do kart dois tempos, tem também um ótimo custo/benefício.” André Nicastro, sócio da Novakart Brasil, importadora dos motores Vortex para o Brasil.

“Os motores OK têm grandes vantagens se comparados aos equipamentos atualmente usados no Brasil, como a equivalencia de equipamentos a nivel mundial, a concorrência entre as marcas e a maior durabilidade dos motores OK. No que tange aos custos de manutenção, itens como o escapamento em peça única e o contra peso no virabrequim fazem com que haja menos quebras, inclusive poupando os chassis. É uma grande evolução para os pilotos brasileiros.” explica Pier Bei, sócio da Kart Box, importadora dos motores TM para o Brasil.