O marido e o sogro foram presos. Ipiranga anuncia suspensão do contrato de patrocínio.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ), realizou nesta quinta-feira (25) a operação Pagão, para cumprir sete mandados de prisão e 14 de busca e apreensão expedidos contra 12 denunciados por organização criminosa, peculato e lavagem de dinheiro. Os denunciados são integrantes da organização social de saúde Instituto dos Lagos Rio e são acusados de desviar mais de R$ 9 milhões dos cofres públicos estaduais.

De acordo com a denúncia, o Instituto dos Lagos Rio, que tem como responsáveis Juracy Batista e o filho, Fábio Souza, respectivamente sogro e marido de Bia Figueiredo, teve empenhados em seu favor R$ 649 milhões entre os anos de 2012 e 2019, para a gestão de unidades de saúde do estado do Rio de Janeiro, “tendo comprovadamente desviado parte substancial dos valores”. A denúncia demonstra, ainda, que “a organização social sequer dispunha de aptidão para assinar contratos de gestão com o Estado, mas forjou sua capacitação técnica graças a obtenção de atestados técnicos falsos”.

Ainda, o desvio de dinheiro público se dava com o pagamento de valores superfaturados em favor de empresas, sob o pretexto da aquisição de produtos ou terceirização de serviços necessários ao atendimento das UPAs e Hospitais administrados pelo Instituto Lagos Rio.

Também segundo a denúncia do Ministério Público, a ação narra que as contratações de serviços e as aquisições eram direcionadas para empresas pré-selecionadas, controladas ou previamente ajustadas para o esquema.

Uma das empresas beneficiadas era a F71, que pertencia a Juracy e Fábio. A F71, segundo a investigação, transferiu um valor total de R$ 1.576.000 para a B3Três, empresa de Bia Figueiredo. A promotoria indicou que se trata de uma “empresa de papel” para ocultar os pagamentos feitos à F71, segundo reportagem da TV Globo, que revelou parte da denúncia.

Bia Figueiredo estava afastada da Stock Car em decorrência da gravidez de seu primeiro filho, que deve ocorrer no inicio de julho. Em seu lugar na equipe Ipiranga está Cesar Ramos.

Logo após a notícia a Ipiranga, attravés de suas redes sociais, anunciou a suspensão do contrato de patrocínio:

A Ipiranga informa que foi surpreendida com notícias envolvendo o nome da piloto da Stock Car Bia Figueiredo. A empresa esclarece que as práticas citadas nas matérias veiculadas, relacionadas aos familiares da piloto, não representam os valores da sua marca e repudia enfaticamente tais atitudes. Até que os fatos sejam esclarecidos, a Ipiranga informa que decidiu suspender o contrato de patrocínio da piloto. 

A Ipiranga ressalta ainda que preza pela transparência e ética em todas as suas ações e relações e não compactua com práticas ou atividades que violem leis, as normas e/ou o seu Programa de Compliance.

Bia Figueiredo teve grande apoio da Ipiranga, chegando a disputar a Formula Indy e as 500 Milhas de Indianápolis com o apoio da petroleira.

Foto: Eric Schwarzkopf

Foto: Eric Schwarzkopf