Antonio Félix da Costa detalhou as modificações que o circuito do Autódromo Hermanos Rodriguez do México tem para a corrida neste sábado da ABB FIA Fórmula E.

O design que será usado pelo campeonato de carros elétricos para a quarta rodada da temporada 2019/20, o E-Prix da Cidade do México, é muito diferente do que os pilotos estavam acostumados nos anos anteriores nesse mesmo cenário.

Como a Fórmula E deste ano tem uma grade de 24 lugares nesta temporada, o regulamento indica que cada circuito precisa de uma extensão de pelo menos 2.400 metros, o que levou a mudanças na pista mexicana.

“Eu acho que é um circuito que, com essas mudanças, teremos que economizar muito mais energia. Terá que ser muito mais uma carreira gerencial e é por isso que focamos muito nisso em todo o trabalho do simulador em casa com a equipe e com os engenheiros”, disse Antonio Felix da Costa, que vem de ser o segundo colocado no encontro de janeiro passado em Santiago, Chile.

“Temos alguns pontos de ultrapassagem, mais do que no ano passado. Temos na curva 1, é claro. Agora também temos na curva 5 e na 9, que acho que será a melhor para ultrapassar”, acrescentou o piloto da DS Techeetah.

“O Foro Sol é sempre incrível, com muitos fãs por lá. Acredito que seja uma das melhores áreas de toda a temporada. E a última curva será realmente muito complicada, porque é muito rápida, contínua e será muito fechada”, concluiu o piloto português.

Nesta sexta-feira às 17:00, horário local, ocorrerá o shakedown, onde os pilotos terão 15 minutos para testar seus carros, enquanto no sábado a atividade começará às 7:30 com o primeiro treino. Às 11:45, começará a classificação e às 16:04 o E-Prix da Cidade do México será lançado.