Alberto Longo, co-fundador e vice-presidente executivo da ABB FIA Fórmula E, explicou que a categoria avalia ir para a China entre as datas de Jacarta e Seul, ou fazer uma rodada dupla em Berlim ou Nova York.

O crescimento do coronavírus levou o campeonato de carros elétricos a adiar o E-Prix de Sanya, que estava programado para 21 de março na cidade chinesa.

Devido à falta de tempo para organizar outra competição, essa data ficará vazia e, enquanto isso, a Fórmula E analisa as opções para recuperar a corrida, seja na própria Sanya ou adicionando outra competição dentro do calendário já estabelecido.

“Há coisas que não podemos controlar, apesar de termos tudo sob controle e com um processo exaustivo”, disse Alberto Longo no Autódromo Hermanos Rodríguez, etapa deste sábado do E-Prix da Cidade do México.

“várias coisas aconteceram este ano, tais como o problema que tivemos em Hong Kong das revoltas sociais que nos obrigaram a cancelar essa corrida. Então tivemos alguns problemas também no Chile e a verdade é que, com o apoio do gabinete do prefeito, conseguimos concretizar e foi um evento espetacular e entrou para a história da Fórmula E”.

“Agora enfrentamos um inimigo que está muito acima nossas capacidades, que é o coronavírus, e obviamente tivemos que decidir não fazer a corrida em março na China”.

“Ainda estamos falando sobre como vai ser essa modificação, estamos simplesmente falando que a corrida não vai acontecer em março, mas já estamos vendo as diferentes opções para substituí-lo ou colocá-lo em outra data no calendário. Há uma possível data entre as corridas de Jacarta e Seul, já que temos um fim de semana livre e poderíamos usá-lo, mas ainda é cedo para dizer o que vai ser feito, ainda estamos analisando todas as possibilidades. ”

A corrida de Seul será em 3 de maio, enquanto a de Jacarta está marcada para 6 de junho. As outras opções possíveis são: uma corrida a Berlim, em 21 de junho, ou uma corrida em Nova York, que seria em 11 de julho.

Questionado sobre o que a Fórmula E planeja para o calendário da temporada 2020/21, Longo comentou: Provavelmente teremos novas corridas, algumas novas… Mas eu gosto da estabilidade do campeonato e do calendário, e estamos conseguindo isso” .

“A maioria das cidades está já confirmada e temos contratos assinados a longo prazo, mesmo que sempre haja uma que não seja renovada, e é aí que temos um jogo de cintura para adicionar uma nova data ao calendário”, finalizou.