Hot Car trabalha para reverter punição errônea a Pedro Cardoso para a prova, enquanto Rafael Suzuki mostra confiança em um “recomeço” de temporada.

A Corrida do Milhão, em sua 11ª edição, marca o início da segunda metade da temporada 2019 da Stock Car. A badalada prova, que acontece neste domingo (25) em Interlagos, paga R$ 1 milhão ao vencedor em um final de semana repleto de atividades para pilotos e equipes. E dentro da Hot Car Competições não vem sendo nada diferente.

O intervalo de duas semanas entre a etapa anterior, em Campo Grande, e a de São Paulo, foi de muito trabalho para o time sediado em Cajamar (SP), na desmontagem, revisão, manutenção e montagem dos carros de Rafael Suzuki e Pedro Cardoso. E mais do que a disputa pelo milhão de reais, conta para equipe e pilotos a expectativa por um bom resultado na pista paulistana.

A prova, única e com 40 minutos de duração mais uma volta, traz algumas novidades em suas regras, como o regime de parque fechado, em que as equipes não podem mexer no carro entre a classificação e a corrida. “É uma prova com regulamento muito particular, no qual o carro que classifica fica em parque fechado, e a equipe não pode mexer até a corrida. Não pode trocar pneus, não pode colocar combustível. Isso nos anima, porque nosso carro é bom de corrida, mas nem tanto de classificação, e isso vai forçar todos a ir classificar já usando um acerto de prova. Na corrida nossos carros crescem muito. Quem for agressivo vai ficar pelo caminho”, prevê Amadeu Rodrigues, chefe da equipe.

“Estou animado com a segunda metade da temporada, porque a posição que ocupamos não se deve a desempenho, mas sim em virtude de batidas e quebras, coisas que não fugiram do nosso controle e não foram culpa dos pilotos. O time está trabalhando muito bem”, continuou.

Em Interlagos, pista mais conhecida de todos os pilotos, Rafael Suzuki espera um “recomeço” nesta segunda metade de temporada. Ânimos renovados. “A gente teve um primeiro semestre de algumas faltas de sorte, acidentes em que não tivemos culpa, quebras também fora do nosso controle. A mentalidade é fazer um novo campeonato nessa segunda metade de temporada, zerar o cronômetro e começar de novo. O potencial da equipe, de todos nós, está lá. Então vamos trabalhar para transformar isso em realidade”, falou.

Polêmica do Push
O estreante Pedro Cardoso vai correr de Stock Car pela primeira vez em Interlagos. Mas a ansiedade por poder acelerar no autódromo mais conhecido do país dá lugar à tensão diante de uma punição injustamente sancionada pelos comissários da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) na segunda corrida da rodada dupla de Campo Grande (MS) há duas semanas: na avaliação dos comissários, Pedro usou o botão de ultrapassagem em momento que não era permitido – o que não aconteceu.

A punição é a perda dos acionamentos na Corrida do Milhão – cada piloto terá direito a oito em Interlagos. “O regulamento estipula que o push só pode ser usado a partir da segunda passagem pelo PSDP, que é a célula da cronometragem que fica na linha de chegada. Foi exatamente o que eu fiz na segunda corrida, em que larguei dos boxes. A CBA diz que eu não cruzei a linha duas vezes antes de acionar o botão, mas a passagem pelos boxes também conta como volta completada – e os dados do carro provam isso”, rebate o brasiliense de 20 anos. “Sou eu e mais uns 10 que estão com o mesmo problema”, relata.

A Hot Car Competições já atua na defesa de Cardoso para revogar a penalização. “Ele não cometeu nenhuma irregularidade. Estávamos autorizados, cruzamos a linha de chegada primeiro por dentro do box, e depois na pista, e isso conta, porque respeitamos as regras e os dados coletados do carro comprovam. Usamos a mesma estratégia, em carros diferentes, nas duas corridas de Campo Grande. Porque só um está sendo punido?”, questiona Amadeu Rodrigues.

“Ficar sem acionar o botão de ultrapassagem em Interlagos, em uma etapa de uma corrida só, é um prejuízo gigantesco. Fizemos tudo dentro das regras e já estamos trabalhando para reverter este quadro”, concluiu o chefe da Hot Car.

Apesar dos pesares, Pedro mantém a confiança no trabalho do time para o final de semana. “Estou confiante por ser uma prova diferente, uma corrida só, e acho que nosso carro está muito bom, principalmente na corrida. A classificação vai ter um papel muito importante porque quanto mais à frente largarmos, melhor a chance de um bom resultado. A equipe está encaixada, trabalhando muito bem. Vamos buscar bons pontos”, afirmou.