“Taxista” costuma ser um termo pejorativo para piloto ruim. Agora, na etapa de Curitiba da Mercedes Benz Grand Challenge o piloto Otávio Mesquita não vai poder reclamar de ser chamado desta forma.

O carro número 66, que o piloto/apresentador divide com Betão Fonseca, está pintado (não se sabe se é de propósito) com as mesmas cores dos famosos taxis de Curitiba.

Tanto parece um taxi que até colocaram o luminoso no teto:

Bem que uns taxis Mercedes Benz, que são tão comuns na Europa e Oriente Médio, podiam também rodar na fria capital do Paraná, só que sem o Otávio Mesquita no volante…