Em um autódromo lotado, piloto da Scania brigou pela vitória nas duas corridas da Grande Final e superou Felipe Giaffone na disputa pela taça; Volkswagen/MAN é campeã entre as marcas.

A Grande Final da Copa Truck neste domingo em Curitiba mostrou que as corridas de caminhões estão mais vivas do que nunca. Diante de 32 mil pessoas que abarrotaram todos os setores disponíveis do autódromo – lotação há tempos não vista no Autódromo Internacional de Curitiba -, Roberval Andrade sagrou-se campeão brasileiro após duas corridas que fizeram valer cada centavo do ingresso.

Roberval Andrade
(Duda Bairros/Copa Truck)

32 mil pessoas foram ao AIC
(Duda Bairros/Copa Truck)

Roberval Andrade
(Duda Bairros/Copa Truck)

Roberval celebra em família
(Vanderley Soares/Copa Truck)

Roberval Andrade
(Duda Bairros/Copa Truck)

Roberval Andrade
(Duda Bairros/Copa Truck)

Largada da corrida 1
(Vanderley Soares/Copa Truck)

Disputa Roberval x Giaffone
(Vanderley Soares/Copa Truck)

O piloto da Scania chegou à capital paranaense como vice-líder da competição com 126 pontos, dois atrás de André Marques e tratou de trabalhar para não precisar depender do resultado de ninguém para levantar a taça. Marques, que fez uma temporada impecável, regular em todas as etapas e chegou ao Paraná na liderança, abandonou as duas corridas e deixou o caminho livre para Roberval e Felipe Giaffone disputarem diretamente pelo campeonato.

Os dois duelaram pela liderança durante toda a corrida até que, na penúltima volta, em uma manobra por fora, Roberval tomou a ponta de Giaffone e voou rumo à vitória, com seu companheiro de equipe, Leandro Totti, roubando pontos importantes de outro finalista, Wellington Cirino, que recebeu a bandeirada em quarto lugar.

Com a inversão do grid, Adalberto Jardim e Regis Boessio dividiram a primeira fila na prova complementar, que despejou outro caminhão de emoção no autódromo: na disputa pela liderança, Jardim e Beto Monteiro se tocaram e saíram da pista, quase levando Roberval (que havia escalado todo o pelotão após largar em oitavo) junto.

Escapando com muita sorte da confusão, Roberval viu Giaffone disposto a dar o troco e mais um capítulo deste duelo foi escrito. Giaffone tomou a ponta restando três voltas, porém todo o esforço do campeão de 2017 foi em vão: o segundo lugar bastava para Andrade levantar a taça – e ele só perderia se fosse ultrapassado pelo terceiro colocado, Cirino, que não conseguiu imprimir o mesmo ritmo dos protagonistas.

Dessa forma, Roberval, que compete de caminhões desde 1999, conquistou seu terceiro título nacional, igualando-se a Totti e  ficando a um de Giaffone e Cirino no ranking dos maiores campeões brasileiros da história. “Esse título resume um sofrimento de quatro anos, quando passei dificuldades financeiras e com a equipe. Quero agradecer a Scania novamente por ser essa marca maravilhosa que me apoiou por esses 19 anos”, celebrou Roberval.

Giaffone, por sua vez, se mostrou um pouco chateado, mas também feliz pelo companheiro: “Essa foi a vitória mais amarga da minha carreira, mas fico feliz por ter sido derrotado por um cara de bem como é o Roberval – por outro lado, conseguimos garantir o título para a Volkswagen/MAN e entregar um presente à nossa equipe que trabalhou muito para isso. Também gostaria de agradecer ao público que lotou as arquibancadas e mostrou que a Copa Truck está mais forte do que nunca.”

Já Cirino se emocionou ao comentar sobre a temporada: “Depois que o outro campeonato acabou eu estava decidido a parar de correr. Existem duas pessoas que merecem meu eterno agradecimento: o primeiro já se foi, Aurélio Batista Felix; o segundo foi o André Marques, que me abraçou e me trouxe para esta equipe incrível que é a AM.”

Concluídas as duas provas, Roberval terminou o ano com 164 pontos, apenas dois à frente de Giaffone. Cirino, com 152, garantiu o terceiro, com Renato Martins, André Marques e Giuliano Losacco completando a lista dos finalistas. Já na briga entre os não-finalistas, o melhor foi Beto Monteiro, à frente de Adalberto Jardim, Regis Boessio e Leandro Totti.

O calendário da temporada 2019 da Copa Truck será divulgado em breve. Confira como ficou o campeonato após a Grande Final:

1. Roberval Andrade, 164 pontos
2. Felipe Giaffone, 162
3. Wellington Cirino, 152
4. Renato Martins, 135
5. André Marques, 128
6. Giuliano Losacco, 116
7. Beto Monteiro, 27
8. Adalberto Jardim, 21
9. Regis Boessio, 20
10. Leandro Totti, 18
11. Rodrigo Belinati, 17
12. Debora Rodrigues, 16
13. Witold Ramasauskas, 14
14. Luiz Lopes, 13
15. Djalma Fogaça, 10
16. Duda Bana, 8
17. Fábio Fogaça, 0
18. Danilo Dirani, 0
19. Pedro Paulo, 0
20. Pedro Paulo, 0

Resultado final do campeonato de marcas:

1. Volkswagen/MAN, 557 pontos
2. Mercedes-Benz, 498
3. Iveco, 357
4. Scania, 273
5. Volvo, 218
6. Ford, 184

Corrida 1
1. Roberval Andrade (Scania), 15 voltas em 25min51s309
2. Felipe Giaffone (Volkswagen), a 4s811
3. Leandro Totti (Scania), a 12s438
4. Wellington Cirino (Mercedes-Benz), a 12s776
5. Beto Monteiro (Iveco), a 13s262
6. Renato Martins (Volkswagen), a 36s068
7. Regis Boessio (Volvo), a 39s700
8. Adalberto Jardim (Ford), a 53s205
9. Debora Rodrigues (Volkswagen), a 1min02s214
10. Witold Ramasauskas (MAN), a 1min03s270
11. Rodrigo Belinati (Volkswagen), a 1min03s703
12. Duda Bana (Volvo), a 1min04s359
13. Luiz Lopes (Iveco), a 1min32s658
14. Giuliano Losacco (Iveco), a 3 voltas

Não completaram
André Marques (Mercedes-Benz), a 5 voltas
Pedro Paulo (Mercedes-Benz), a 6 voltas
Danilo Dirani (Mercedes-Benz), a 9 voltas
Djalma Fogaça (Ford), a 10 voltas
Maikon Lauck (Mercedes-Benz), a 14 voltas

Melhor volta: Roberval Andrade, 1min41s721 (128,620 km/h)
Corrida 2
1. Felipe Giaffone (Volkswagen), 15 voltas em 26min16s985
2. Roberval Andrade (Scania), a 1s742
3. Wellington Cirino (Mercedes-Benz), a 4s282
4. Beto Monteiro (Iveco), a 21s383
5. Renato Martins (Volkswagen), a 22s310
6. Djalma Fogaça (MAN), a 23s761
7. Adalberto Jardim (Ford), a 25s160
8. Rodrigo Belinati (Volkswagen), a 29s908
9. Regis Boessio (Volvo), a 37s265
10. Luiz Lopes (Iveco), a 1min15s932
11. Debora Rodrigues (Volkswagen), a 1min38s820
12. Witold Ramasauskas (MAN), a 3 voltas

Não completaram
Leandro Totti (Scania), a 12 voltas
André Marques (Mercedes-Benz), a 13 voltas
Duda Bana (Volvo), a 13 voltas
Giuliano Losacco (Iveco), a 15 voltas
Pedro Paulo (Mercedes-Benz), a 15 voltas
Danilo Dirani (Mercedes-Benz), a 15 voltas
Fabio Fogaça (Ford), a 15 voltas
Maikon Lauck (Mercedes-Benz), a 15 voltas

Melhor volta: Felipe Giaffone, 1min43s020 (126,526 km/h)