Chico Horta e William Freire ficam com o título na classe 3.8, após vitória de Dennis Dirani e Matheus Coletta.

Diante de um público de 10 mil espectadores, a temporada 2018 da Porsche Cup Império terminou no fim da tarde de sábado em Interlagos com uma emocionante prova de 500 km. As vitórias ficaram com a dupla da Hero composta por Nonô Figueiredo/Gaetano di Mauro na classe 4.0 e Dennis Dirani/Matheus Coletta na 3.8. Os campeões de endurance foram os quartos colocados na corrida final: os paranaenses Lico Kaesemodel e Ricardo Zonta conquistaram o primeiro título da história da Shell com carros de corrida no Brasil, na classe 4.0, enquanto Chico Horta venceu com William Freire o campeonato na 3.8.

A jornada final decidiu também os campeonatos overall -que somam os pontos das três provas de endurance com os conquistados nas seis etapas de sprint. Lico Kaesemodel foi o campeão na 4.0, Sylvio de Barros na 4.0 Sport, Pedro Aguiar na 3.8 e Chico Horta na 3.8 Sport. Campeão também de sprint na GT3 Cup 3.8, Horta é o primeiro piloto da história da Porsche Cup Império a gabaritar o ano, conquistando os três títulos em jogo numa mesma temporada.

Desde a largada ficou claro que a prova prevista para até 4h30min de duração ou 117 voltas teria praticamente o ritmo de uma disputa de sprint. Os carros #4 e #27 (da equipe Hero), #177 e #777 (da Cimed Racing), #5 (Michelin) e #8 (RCHLO) começaram muito forte. Mas as duplas Miguel Paludo-Justin Allgaier (com o #7 da Brandt) e o #63 de Lico/Zonta cresceram muito durante a prova.

Com a constante ameaça de chuva -que chegou a cair com pouca intensidade pelo meio da corrida-, os carros logo partiram para estratégias diversas. Assim as alternâncias na liderança foram muitas, inclusive com carros da classe 3.8 figurando na liderança geral em mais de uma ocasião. Foram dez carros diferentes liderando ao longo da tarde, com 20 trocas do ponteiro durante as 117 voltas.

Nas classes Sport o panorama foi similar e, no fim do dia, prevaleceram Rodolfo Toni/Danilo Dirani na 4.0 e o trio Paulo Totaro, Renan Guerra e Arthur Ramos na 3.8. Os títulos de endurance nas classes de entrada ficaram com Luca Seripieri (4.0) e a dupla Maurizio e Marco Billi (3.8).

 

A corrida

Na largada, Nonô Figueiredo manteve a liderança, mas de imediato sofreu o ataque de Felipe Fraga, que logo assumiu a liderança. Após ter sido ultrapassado por Felipe Fraga, Nonô Figueiredo perdeu rendimento e também foi superado por Ricardo Baptista, Marcos Gomes, Nelsinho Piquet e Werner Neugebauer. Enquanto isso, Fraga começou a abrir na ponta.

Na quinta volta, Gomes passou Baptista, que ficou mais para Piquet. Este, no entanto, teve um contato com Werner, e o carro ficou dianteiro, o que o fez perder dois postos, para o próprio Neugebauer e Nonô.

Já na 3.8, Renan Guerra começou bem a prova e conseguiu colocar dois carros da categoria 4.0 entre ele e Dennis Dirani, o que o protegia na liderança da categoria. Porém, Dirani conseguiu se livrar do tráfego e colou no líder, trazendo com ele Guilherme Salas.

Na volta 14, Gomes e Fraga ficaram grudados numa briga de companheiros da equipe Cimed Racing pela liderança, enquanto Nelsinho entrou nos boxes. Logo depois, outros pilotos fizeram a primeira parada obrigatória, e Baptista pegou a ponta. A liderança também mudou de mãos na 3.8 depois que Guerra foi aos boxes e Dirani seguiu na pista.

Após o pit stop, houve inversão de posições entre os carros da Cimed, com o #777, de Gomes e Murilo Coletta ficando à frente do #177, de Fraga e Marcel Coletta. Outros pilotos permaneciam na pista com estratégias diferentes, e na 20ª volta Neugebauer liderava, seguido por Nonô Figueiredo, Vitor Baptista, Lico Kaesemodel e Rouman Ziemkievicz.

Depois de 25 voltas, Vitor Baptista seguia na pista, na liderança, e o segundo colocado no geral era o #277, de Dennis Dirani, que também esticava sua janela e liderava na 3.8. Outros carros que adiaram o primeiro pit stop foram o #10, de Adalberto Baptista, o #71, de Guilherme Salas, e o #85, de Enzo Bortoleto. Após os pits de Vitor e Dirani, Adalberto assumiu a ponta, mas já foi acossado por Gomes e ambos tiveram um contato, com Marquinhos recuperando a liderança.

Adalberto Baptista e Guilherme Salas levaram seus carros adiante no primeiro stint antes do pit stop até depois da 30ª volta, e finalmente pararam no 33º e 32º giro, respectivamente. Com uma hora de corrida, alguns pingos de chuva caíam na parte de trás do autódromo de Interlagos, com muito vento, mas a água só caiu com força em uma volta, e a pista não chegou a molhar totalmente. Mesmo assim, com a pista traiçoeira, Cacá Bueno fez bela ultrapassagem sobre Werner Neugebauer.

Marcos Gomes recuperou a liderança quando Adalberto Baptista fez a primeira parada, mas a ponta durou apenas quatro voltas, e ele voltou aos boxes para o segundo pit stop. Com isso, Gaetano di Mauro, Cacá Bueno, Werner Neugebauer e Ricardo Zonta ficaram nas quatro primeiras colocações.

Com 40 voltas, um pouco mais de um terço de corrida, Di Mauro era o líder, à frente de Zonta, Pedro Queirolo, Danilo Dirani e Miguel Paludo. Na 3.8, Kreis Jr. liderava com o carro #71. Neste momento, Werner Neugebauer finalmente deixou o carro, pouco depois de um contato com Sylvio de Barros. Logo depois, a parceria de Sylvio e Cacá Bueno foi punida porque seu pit stop durou 5m59s595, 0s4 a menos do que o obrigatório. Com o incidente, o carro #8 de Neugebauer e Sérgio Jimenez perdeu rendimento, precisando de uma parada extra nos pits e, a seguir, uma penalização de drive-thru. Acabava ali a chance do carro da RCHLO conquistar a trinca, com os títulos de sprint, endurance e overall.

Pouco antes de 50 voltas, Gaetano, Zonta e Queirolo entraram para mais um pit stop, e Kreis Jr. passou à ponta no geral pois seguia com apenas uma parada. Com isso, na prática a dobradinha da Cimed foi restabelecida, com Murilo Coletta à frente de Marcel Coletta, com Lucas di Grassi encostando nos dois. Pouco depois, o carro #27 de Lucas assumiu a ponta, seguido por Nonô, Kaesemodel, Fernando Fortes e Nelsinho Piquet. Neste cenário, a disputa pelo campeonato de endurance favorecia Ricardo Baptista sobre a dupla da Shell.

Dez giros depois, Nonô Figueiredo liderava e entrou para o terceiro pit stop, seguido por Kaesemodel e Piquet, estes com duas paradas ainda. Na 3.8, Kreis Jr. e Pedrinho Aguiar lideravam sobre Chico Horta e William Freire. Na volta 70, Lico liderava à frente de Nelsinho, que logo depois fez a terceira parada.

Na 80ª volta, Kreis Jr. e Pedrinho Aguiar seguiam na ponta mesmo nos boxes, já que fizeram um stint muito longo. Gaetano di Mauro vinha em segundo, enquanto Murilo Coletta, Ricardo Zonta e Justin Allgaier fechavam o top5. Na briga pelo título, seguiam os carros #63 e #27, que tinha uma parada a mais já realizada.

A última rodada de pit stops foi muito movimentada, com o carro #177 com Felipe Fraga traseirando na frente de Lucas di Grassi. No entanto, Fraga saiu dos boxes 0s088 abaixo do tempo mínimo de seis minutos e foi punido com o acréscimo de 12 segundos ao tempo de prova. Di Grassi tampouco teve sorte, com problema no carro forçando a tripulação do #27 a recorrer ao carro reserva. Com 98 voltas, a liderança era de Zonta, seguido por Paludo e Nelsinho. Na 3.8, Menossi e Bortoleto lideravam.

Na centésima volta, Zonta seguia na liderança, com Paludo parado nos boxes em segundo e Piquet em terceiro. Na 3.8, Menossi mantinha o primeiro lugar à frente de Dennis Dirani e Pedrinho Aguiar. Enquanto isso, Bruno Baptista ia com o carro reserva depois do problema de Di Grassi.

Zonta e Nelsinho finalmente fizeram a última parada no fim das voltas 105 e 104, respectivamente, o que deu a liderança a Fraga, com Gaetano colado nele. Na volta 106, Di Mauro atacou Felipe na Junção e fez belíssima ultrapassagem invertendo o traçado. Ao mesmo tempo, Zonta saía dos boxes com pneus novos, em quarto lugar, atrás de Marcos Gomes, com Miguel Paludo e Nelsinho Piquet na mesma volta, atrás.

Na liderança, Gaetano passou a abrir com facilidade sobre Fraga, que ficou para trás com desgaste de pneus. Gomes não conseguiu mais atacar o companheiro de equipe. Enquanto isso, Zonta, depois de ter dificuldades para ultrapassar o retardatário Bruno Baptista, fechou a prova em quarto para garantir o título da Porsche Império Cup Endurance Series na categoria 4.0.

Na 3.8, Matheus Coletta e Dennis Dirani venceram foram os vencedores, mesmo com problemas. Guilherme Salas, Kreis Jr. e Pedrinho Aguiar completaram a corrida em segundo, à frente de Matheus Iorio e Carlos Renaux, que escalaram o pelotão no fim. O título da temporada na Endurance Series ficou mesmo com Chico Horta e William Freire que cruzaram na quarta posição na 3.8 e na 18ª no geral.

 

 

O que eles disseram:

“Estou muito feliz. O fim de semana começou complicado, mas acabou dando tudo certo, coroando o ano com o título na Endurance e também no Overall. O ano começou bastante complicado, mas depois viemos evoluindo, conquistando bons resultados. Eu sabia que nós tínhamos que chegar na frente de alguns competidores e deu tudo certo. Quero parabenizar o Zonta que fez um ótimo trabalho. Estou muito feliz em estar representando a marca Shell e ser o primeiro campeão da Shell no automobilismo Toda a equipe está de parabéns.”

Lico Kaesemodel

 

“Fizemos uma corrida constante, sem cometer erros, do início ao fim e isso foi muito importante. Tivemos alguns problemas durante a temporada, mas conseguimos superar. O carro estava bom, não éramos os mais rápidos, mas os mais constantes, com certeza. E é assim que se ganha um campeonato.”

Ricardo Zonta

 

“Foi emocionante, me adaptei rápido ao carro. Aprendi muito com a experiência do Nonô, ele me ajudou muito a ter um ritmo forte. Pensamos 100% em ter um carro de corrida e foi isso que tivemos. Tínhamos um carro muito bom já na classificação, foi um fim de semana perfeito, com 100% de aproveitamento, com pole, pódio e vitória. Isso é emocionante para nós, espero vencer mais vezes.”

Gaetano di Mauro

 

“Prova longa é sempre muito difícil, é um trabalho dos pilotos, mecânicos e de toda a equipe. No caso aqui da Porsche, de toda a equipe da Porsche que prepara os carros. É uma prova de resistência, com certeza é uma satisfação enorme terminar o ano com uma vitória da equipe Hero aqui na Porsche. Foram duas vitórias na Formula 1 e uma hoje, isso mostra que o trabalho está sendo bem feito.”

Nonô Figueiredo

 

“A corrida foi cheia de altos e baixos.  A gente foi do céu ao inferno, porque a gente tava muito bem. Meu primeiro stint não foi muito bom, os outros dois foram muito bons, o Willian sempre rápido e constante, então a gente tava em primeiro lugar, pronto pra ganhar quando veio uma notícia dos boxes que a gente tinha errado na conta e eu faltava fazer uma volta. Então a gente precisou parar o carro. Foi desesperador, porque faltavam 5 ou 6 voltas e o tempo mínimo de parada era de um minuto. Então a gente parou, correu e colocou. Conseguimos fazer rapidinho e cair só para o quarto lugar. Era uma corrida que era pra sermos primeiros e foi pro quarto, então nessa hora tava todo mundo muito bravo, achou que fosse jogar tudo no lixo, mas acabou que deu, com o quarto lugar a gente fechou o campeonato e deu uma sensação muito emocionante, porque fomos do céu para o inferno e para o céu de novo.”

Francisco Horta

 

“A temporada foi fantástica, não podia ter sido melhor. Eu consegui ser consistente no ano. O carro novo está incrível, a organização fantástica. Precisava ter ido melhor hoje, infelizmente eu tive um toque no começo da corrida e a gente não terminou. Mas estou feliz de ter terminado o ano em primeiro no overall. Estou até surpreso.”

Sylvio de Barros

 

“Nossa estratégia era muito boa, estávamos muito bem, constantes. Acabamos em segundo, mas foi como uma vitória, foi muito bom. Fomos vice-campeões na Endurance, e isso também foi muito bom. Acabei conquistando o título Overall, e isso me deixa muito feliz.”

Pedro Aguiar

 

“Foi bem legal, a corrida foi bem difícil. A gente começou bem, mas tivemos dois problemas no carro tivemos que trocar de carro duas vezes e mesmo assim deu para vencer, nós dois, eu e o Matheus tivemos dois stints bem rápidos e conseguimos recuperar esse tempo que a gente

perdeu com as trocas. Pena que a gente não fez a etapa de Goiânia, mas mesmo assim deu pra ficar em terceiro no campeonato.”

Dennis Dirani

 

 

“Dois dos nossos carros quebraram, infelizmente, mas conseguimos recuperar. Demos sorte que o carro do Chico teve um problema, mas o resultado foi justo. Tanto eu, quanto o Dennis fomos os mais rápidos na tomada, e o Dennis foi extremamente rápido na corrida. Conseguimos colher o fruto do grande trabalho que realizamos durante a semana.”

Matheus Coletta

 

“Foi um fim de semana interessante, com dois meninos que já conhecemos da Stock Light. Foi legal correr aqui com eles e passar um pouco da nossa experiência, tenho certeza que eles também aproveitaram. Tivemos chances de vitória na corrida, o carro era bem rápido. Faltou um pouco de estratégia, perdemos muito tempo com pneus velhos. Acho que dava para brigar pela vitória. ”

Marcos Gomes

 

“Foi perfeito para mim. Cheguei na última hora para correr com o Marcel e, querendo ou não, são mais 250 km de andados em Interlagos e isso é bom demais, estamos sempre aprendendo seja qual for o carro, tive boas disputas no começo. No final, dei uma fechada no Gaetano para tentar ajudar o Marquinhos, mas, mesmo sem o pênalti, nós não conseguiríamos ganhar dele. Ele fez uma grande corrida, parabéns para ele. Me diverti bastante, tomara que o Marcel suba para a Stock no ano que vem. Estamos trabalhando sempre juntos com os Coletta, aprendendo e ensinando algo para eles.”

Felipe Fraga

 

“Foi muito bacana, poder ajudar o Rodolfo no campeonato. Eu não corri a segunda etapa em Goiânia com ele. Na primeira etapa a gente foi segundo, agora conseguimos vencer, então é uma experiência fantástica, minha primeira vitória com a Porsche. E eu não tenho muita experiência com esse carro, apesar da minha carreira longa. Então é muito bacana ter a primeira vitória na categoria. A estratégia foi muito boa, as paradas foram certinhas e a gente economizou um pouco de pneu pra ter um pneu melhor ali pro final e a gente tinha quatro pneus muito bons, que era pra vir em ritmo de classificação nas minhas últimas 24 voltas. Então foi ali que decidiu mesmo.”

Danilo Dirani

 

“A corrida começou complicada, a gente teve um toque. O carro ficou ruim, a gente teve até que parar para dar uma mexida, mas deu para manter um ritmo bom. Aí o Marçal entrou e fez um trabalho excepcional, eu consegui fazer um segundo stint que foi um dos meus melhores. A gente conseguiu ir subindo, recuperando e ficamos em segundo lugar na corrida, o que acontece, mas focando no campeonato, a gente foi campeão. Eu falei para todo mundo que eu ia ganhar esse campeonato em homenagem ao Alan (Hellmeister). E eu to sentindo muita felicidade por fazer a homenagem que eu queria para alguém que merece”

Luca Seripieri

 

“Foi uma experiência boa, eu tive que andar junto com o Paulo Totaro, que carrega pouco peso na parte de equalização dos pilotos e o Arthur, que é estreante, nunca tinha corrido. “Tivemos um sustinho, tivemos que trocar de carro, tivemos problema na homocinética no meio da corrida. A equipe arrumou, conseguimos voltar para corrida e conseguimos manter a liderança e tirar duas posições na geral no final do stint, porque o carro tava bem rápido. Agora para o ano que vem é tentar disputar o campeonato”

Renan Guerra

 

“Eu acho que a gente ganhou bastante tempo, principalmente na parte estratégica, a troca de pilotos a gente conseguiu fazer em tempo muito bom, tirando uma que tivemos uma complicação com a porta que abriu e acabamos perdendo a chance de brigar pelo segundo lugar, mas acho que terminar em terceiro, de acordo com as condições e ter largado de sexto foi muito bom.”

Matheus Iorio

 

Porsche Cup Endurance Series – Interlagos – 500 km:

  1. Nonô Figueiredo/Gaetano di Mauro 3h42min58.271
  2. Marcel Coletta/Felipe Fraga +15.003
  3. Murilo Coletta/Marcos Gomes +19.216
  4. Lico Kaesemodel/Ricardo Zonta +1min03.115
  5. Miguel Paludo/Justin Allgaier +1min19s804
  6. Daniel Schneider/Nelson Piquet Jr +1min37s110
  7. Pedro Queirolo/Vitor Baptista e Fernando Fortes -1 volta
  8. Rodolfo Toni/Danilo Dirani (S) -1 volta
  9. Luca Seripieri/Marçal Müller (S) -1 volta
  10. Carlos Ambrósio/Popó Bueno (S) -1 volta
  11. Dominique Teyssere/Fabio Carbone (S) -1 volta
  12. Werner Neugebauer/Sergio Jimenez -1 volta
  13. Rouman Ziemkiewicz/Eloi Khouri (S) -1 volta
  14. Matheus Coletta/Dennis Dirani * -3 voltas
  15. Guilherme Salas/Kreis Jr e Pedro Aguiar * -3 voltas
  16. Carlos Renaux/Matheus Iorio* -4 voltas
  17. Ricardo Baptista/Lucas di Grassi e Bruno Baptista -4 voltas
  18. William Freire/Chico Horta * -5 voltas
  19. Renan Guerra/Paulo Totaro e Artur Ramos *(S) -5 voltas
  20. Ramon Alcaraz/Marcio Mauro *(S) -6 voltas
  21. Maurizio Billi/Marco Billi *(S) -6 voltas
  22. Enzo Bortoleto/Eduardo Menossi* -7 voltas
  23. Sun Moodley/Andrew Culbert e Manogh Maharaj *(S) 1.40.977 -9 voltas
  24. Urubatan Jr/Patrick Choate e Marcelo Brisac *(S) -10 voltas
  25. Andre Gaidzinski/Kleber Barcellos *(S) 1.40.705 -12 voltas

Não completaram

Tom Filho/Rodrigo Mello e João Gonçalves (S) 1.36.451

Adalberto Baptista/Rodrigo Baptista (S) 1.36.046

Enzo Elias/Max Papis 1.36.485

Eduardo Azevedo/Ricardo Mauricio 1.36.557

Sylvio de Barros/Cacá Bueno 1.36.279

(S) Divisão Sport

*Carros com motor 3.8

 

Os campeões de 2018

Sprint

Carrera Cup 4.0: Werner Neugebauer

GT3 Cup 4.0: Sylvio de Barros

Carrera Cup 3.8: Vitor Baptista

GT3 Cup 3.8: Chico Horta

 

Endurance Series

4.0: Lico Kaesemodel e Ricardo Zonta

4.0 Sport: Luca Seripieri

3.8: Chico Horta e William Freire

3.8 Sport: Maurizio Billi e Marco Billi

 

Overall

4.0: Lico Kaesemodel

4.0 Sport: Sylvio de Barros

3.8: Pedro Aguiar

3.8 Sport: Chico Horta

 

Os campeonatos de endurance

4.0

1          Lico Kaesemodel, 182

Ricardo Zonta, 182

3          Nonô Figueiredo, 170

4          Miguel Paludo, 168

5          Sérgio Jimenez, 165

Werner Neugebauer, 165

7          Pedro Queirolo, 157

Vitor Baptista, 157

9          Luca Seripieri, 138

10        Daniel Schneider, 130

Nelson Piquet Jr., 130

12        Marcel Coletta, 126

13        Ricardo Baptista, 124

14        Murilo Coletta, 116

Gaetano di Mauro, 116

16        Rodolfo Toni, 104

Felipe Fraga, 104

18        Justin Allgaier, 100

19        Fernando Fortes, 98

Carlos Ambrósio, 98

Popó Bueno, 98

22        Marcos Gomes, 94

23        Cacá Bueno, 90

Sylvio de Barros, 90

25        Dominique Teysseyre, 86

Fabio Carbone, 86

27        Lucas di Grassi, 84

28        Danilo Dirani, 82

29        Bruno Baptista, 74

30        Beto Gresse, 68

31        JP Mauro, 67

32        Dennis Dirani, 55

33        Marçal Müller, 50

34        Rodrigo Mello, 44

Tom Filho, 44

36        Enzo Elias, 36

Max Papis, 36

38        Alan Hellmeister, 33

39        Eloi Khouri, 32

Rouman Ziemkiewicz, 32

41        João Gonçalves, 26

42        Pedro Piquet, 20

43        Marcel Visconde, 16

44        Beto Leite, 14

45        Adalberto Baptista, 12

Rodrigo Baptista, 12

47        Guilherme Reischl, 10

Pedro Boesel, 10

49        Constantino Jr., 0

Eduardo Azevedo, 0

Lucas Foresti, 0

Ramon Alcaraz, 0

Ricardo Maurício, 0

Tom Valle, 0

 

4.0 Sport

1          Luca Seripieri, 240

2          Rodolfo Toni, 222

3          Carlos Ambrósio, 210

Popó Bueno, 210

5          Dominique Teysseyre, 190

Fabio Carbone, 190

7          Danilo Dirani, 177

8          Tom Filho, 113

Rodrigo Mello, 113

10        Marçal Müller, 104

11        Rouman Ziemkiewicz, 76

Eloi Khouri, 76

13        Alan Hellmeister, 68

Dennis Dirani, 68

João Gonçalves, 68

16        JP Mauro, 45

17        Fernando Fortes, 40

Marcel Visconde, 40

19        Beto Leite, 36

Nonô Figueiredo, 36

21        Adalberto Baptista, 33

Rodrigo Baptista, 33

23        Guilherme Reischl, 29

Pedro Boesel, 29

25        Ramon Alcaraz, 0

Enzo Elias, 0

Tom Valle, 0

Beto Gresse, 0

3.8

1          Francisco Horta, 208

William Freire, 208

3          Kreis Jr., 205

Pedro Aguiar, 205

5          Matheus Colleta, 177

Dennis Dirani, 177

7          Carlos Renaux, 173

8          Maurizio Billi, 166

Marco Billi, 166

10        Marcelo Brisac, 145

11        Matheus Iorio, 144

12        Paulo Totaro, 142

Renan Guerra, 142

14        Patrick Choate, 123

15        Guilherme Sallas, 104

16        Artur Ramos, 76

17        Ramon Alcaraz, 68

Márcio Mauro, 68

19        Eduardo Menossi, 56

Enzo Bortoleto, 56

21        Diego Nunes, 55

22        Alan Turres, 50

Gil Farah, 50

Sun Moodley, 50

Andrew Culbert, 50

Manogh Maharaj, 50

27        Alexandre Auler, 45

Leandro Romera, 45

Urubatan Jr., 45

30        André Gaidzinski, 40

Kleber Barcellos, 40

32        Nelson Monteiro, 33

33        Pedro Costa, 29

 

3.8 Sport

1          Maurizio Billi, 217

Marco Billi, 217

3          Patrick Choate, 187

4          Marcelo Brisac, 137

5          Paulo Totaro, 116

Renan Guerra, 116

Artur Ramos, 116

8          Ramon Alcaraz, 104

Márcio Mauro, 104

10        Sun Moodley, 85

Andrew Culbert, 85

Manogh Maharaj, 85

13        Urubatan Jr., 76

14        Alan Turres, 68

Gil Farah, 68

André Gaidzinski, 68

Kleber Barcellos, 68

18        Alexandre Auler, 61

Leandro Romera, 61

20        Nelson Monteiro, 50

21        Pedro Costa, 45

Carlos Renaux, 45