Pilotos cascavelenses vão disputar premiação inédita de R$ 150 mil na corrida de 18 de novembro com GM Celta número 0 da Caús Motorsport.

A lista de pilotos campeões da Cascavel de Ouro que vão integrar o grid na 32ª edição acaba de ganhar mais um nome. Aloysio Ludwig Neto, vencedor em 1987 e em 2003, foi anunciado nesta terça-feira (30) como companheiro de equipe de Marcelo Beux na Caús Motorsport para a corrida de 18 de novembro no Autódromo Internacional Zilmar Beux, onde 55 carros vão compor o grid e as três horas de disputas, que terão transmissão ao vivo pelo BandSports.

“É comum nessa minha carreira inconstante de piloto de corridas que as coisas inusitadas aconteçam, e esse convite do Marcelo foi uma delas”, afirma Ludwig. “Eu me afastei das pistas por um tempo, mas tinha o projeto de voltar à corrida, um pouco mais para a frente. A oportunidade veio agora, numa equipe muito boa, aí não deu para esperar. Tenho buscado fazer bons treinos de kart, vamos procurar dar o melhor na corrida”, anima-se o bicampeão.

Beux enfatiza a oportunidade de aprendizado. “Cresci e aprendi bastante como piloto correndo em dupla com o Júnior Caús nesta temporada. O Aloysio é um piloto rápido, experiente e consciente, não é à toa que ganhou a Cascavel de Ouro duas vezes. É uma honra ter um parceiro com ele”, aponta. “Claro que todo mundo quer ganhar, mas com o alto nível da o piloto tem de mostrar muito trabalho até para largar entre os dez primeiros. A meta é estar no pódio”.

Na última temporada, Marcelo Beux atuou no Campeonato Metropolitano de Marcas & Pilotos de Cascavel, em que conquistou a terceira posição final na categoria B, e fez participações esporádicas na Turismo Nacional. “Na etapa de Cascavel conseguimos um ritmo muito bom, isso mostrou que temos condição de fazer bonito na Cascavel de Ouro”, observa o piloto, que foi 13º na corrida em 2015, abandonou em 2016 e ficou em 27º lugar no ano passado.

Ludwig venceu a Cascavel de Ouro de 1987 com um Dodge Charger RT. “Não fui primeiro colocado, mas a corrida acontecia pelo handicap, cada categoria de carros tinha um percurso diferente a cumprir”, lembra o piloto, que defendeu a equipe de Irineu “Chicão” Zini. Em 2003, quando a realização da corrida foi retomada após um intervalo de seis anos, formou dupla com Flávio Poersch no VW Voyage da Sorbara Motorsport e chegou ao bicampeonato.