Piloto paranaense tem um grande desafio neste fim de semana: manter vivas suas chances matemáticas.

A etapa de Goiânia, GO, que será disputada neste domingo, 4, é a penúltima da temporada da Stock Car. Para os pilotos da equipe Prati-Donaduzzi, os desafios só aumentam nesta reta final. Julio Campos chegou à quarta posição no campeonato e é o único do ‘top 5’ que ainda não foi campeão. O que ainda pode acontecer neste ano: Julio tem chances matemáticas.

“Sabemos que o título é algo muito distante no momento. Mas estamos bem preparados para andar na frente neste fim de semana, o que nos dará uma chance de terminar o campeonato pelo menos entre os três melhores. Temos ciência do que será necessário melhorar para essa corrida e estamos trabalhando muito nisso”, destaca Julio.

O chefe de equipe Rodolpho Mattheis reitera o otimismo do piloto. “Com o Julio, queremos ficar no ‘top 3’ do campeonato e temos condição de chegar com chances matemáticas a Interlagos . Já com o [Antonio] Pizzonia estamos trabalhando no desempenho para buscarmos o ‘top 5’ de equipes. Estamos em 6º, bem perto do nosso objetivo”, conta.

Encontrar a velocidade de reta é o que irá fazer a diferença para equipe em Goiânia. “Goiânia e Interlagos são circuitos onde a gente ainda não tem um bom retrospecto. Já tivemos muito problema de velocidade de reta e estamos buscando novos caminhos para resolver isso”, acrescenta Rodolpho. “Tivemos uma semana curta para revisão dos carros, mas a expectativa é boa mesmo assim. Porque estamos vindo de bons resultados”, comenta.

Pit stop é o desafio da Prati-Donaduzzi

Com o mecânico Marlon Mota afastado da equipe por precaução após o acidente na etapa de Londrina, o foco agora está no treinamento do substituto.

“O pit stop está sendo um desafio particular para gente. Estamos tendo que preparar o ‘pistoleiro’ reserva em apenas uma semana. Estamos trabalhando para que ele tenha segurança e velocidade nos pits. Os treinos estão bem puxados para chegarmos o mais perto possível do tempo que fazemos com o Marlon. Para isso, a equipe inteira teve de trocar o ‘ballet’, uma reorganização da equipe para conseguir o novo entrosamento. Estamos fazendo muitas repetições para que isso não nos prejudique e para que possamos chegar a uma vitória, que é o que está faltando pra gente”, finaliza Mattheis.

A equipe Prati-Donaduzzi já conseguiu quatro pódios nesta temporada (dois terceiros e dois segundos lugares). A média de largada de Julio Campos também chama a atenção: em dez etapas, saiu sete vezes entre os dez primeiros.