Gabriel Casagrande (Foto: Rodrigo Guimarães)

Gabriel Casagrande (Foto: Rodrigo Guimarães)

“Ninguém vai tirar esse P4 da gente não!”

Vamos dividir a Corrida do Milhão de Gabriel Casagrande em duas partes: AB (antes da bandeirada) e DB (depois da bandeirada). Antes da bandeirada, o piloto de Pato Branco fez a parte dele e teve uma de suas melhores atuações em sua carreira na Stock Car. Largando de décimo, o piloto da Júpiter Baterias/Vogel Motorsport foi escalando na base do fórceps seu caminho no grid, contando com o precioso auxílio do time liderado por Mauro Vogel e Gualter Salles na estratégia do pit stop obrigatório.

Após a parada, Gabriel se viu em uma disputa memorável e inesquecível com Rubens Barrichello, que concentrou as atenções da transmissão oficial. Com muita garra, o paranaense segurou o ex-piloto de F1 no braço e não o deixou passar, com ambos decolando juntos para a parte de cima do pelotão, terminando em quarto e quinto, respectivamente, com direito a batida de porta e troca de tintas. “Foi demais, inesquecível, esse quarto lugar valeu como uma vitória e vou guardar para sempre comigo, pois pilotei diante de toda a minha família e dos meus amigos e nunca vi uma festa tão grande nos boxes. Foi maravilhoso sair do carro e ver meu pai correndo em minha direção, não tive como segurar a emoção”, contou o piloto logo após sair do carro, sem esconder as lágrimas.

Agora vem o período depois da bandeirada: em uma disputa tripla com o atual campeão Felipe Fraga e Julio Campos, Gabriel acabou penalizado em 20 segundos no tempo final de prova e caiu para nono. “Tudo aconteceu na reta dos boxes, quando o Fraga acabou tocando no Gabriel, que estava lado-a-lado com o Julio e não teve o que fazer. Entraremos em recurso para reverter essa punição”, comenta Gualter Salles. Enquanto o trâmite acontece, Gabriel e a Vogel já se concentram no próximo desafio, dia 23 de julho em Curvelo (MG).