Piloto da equipe BVA-Scuderia aposta no push-to-pass e nas modificações feitas no circuito para voltar aos TOP-10 do campeonato neste fim de semana

Encerrado o treino que definiu o grid de largada para a terceira etapa da temporada da Stock Car, o paranaense Júlio Campos manteve a expectativa por uma corrida positiva para a equipe BVA-Scuderia 111, neste domingo (17), no circuito de rua de Ribeirão Preto (SP).

Com uma volta em 1min09s031, que garantiu a ele o 11o lugar no grid, Campos disse acreditar na conquista de um bom resultado neste domingo, e aposta na união dos fatores “desempenho constante” e “chance de ultrapassagem” para voltar a ocupar um lugar entre os Top-10 do campeonato.

O treino de classificação foi positivo para nossa equipe, porque temos um ritmo de corrida constante e, largando na sexta fila, dá para sonhar em somar bons pontos para o campeonato”, falou o paranaense. “O push-to-pass deve fazer efeito aqui em Ribeirão Preto, porque aumenta em cerca de 20 km/h a velocidade dos carros. E isso é mais do que suficiente para uma ultrapassagem”, acrescentou ele, se referindo ao sistema que auxilia as trocas de posição na Stock Car.

O push-to-pass aumenta a potência dos carros durante dez segundos, e poderá ser usado doze vezes na corrida deste domingo, em intervalos mínimos de 2 minutos. Cada volta em Ribeirão Preto demora cerca de 1min08s. Ao ser acionado o botão de controle, o sistema demora cinco segundos para liberar mais combustível para o motor, o que garante mais potência e, conseqüentemente, mais velocidade.

Mudança de temperatura – Quando deixou a pista após as duas voltas lançadas a que teve direito, Campos ocupava a quarta posição no grid provisório, mas acabou superado pelos pilotos que tiveram a chance de se classificar no fim da tarde, momento em que a pista esteve mais fria.

Por ser disputado em um circuito de rua, o treino classificatório para a etapa de Ribeirão Preto teve um formato diferente do tradicional. Os pilotos tiveram direito a apenas duas voltas rápidas na tomada oficial de tempos, e entraram na pista na ordem inversa à das posições que ocupam no campeonato.

“Nossa posição de largada não reflete nossa real condição para esta corrida, em especial pelas características deste treino. No início a pista estava bem mais quente, e terminou em uma condição mais favorável aos pilotos que puderam fazer a tomada no fim da tarde”, contou Alan Hellmeister. Ele chegou a ter a quinta melhor volta do dia, mas teve que assistir, pacientemente, à melhora no tempo de seus adversários e vai largar em 20o.