João Gonçalves (foto: Luca Bassani)

João Gonçalves (foto: Luca Bassani)

Campeão Mundial de Kart voltou a competir em Interlagos depois de mais de 18 meses. E mostrou que não perdeu a mão da pista.

Depois de começar a temporada de 2014 com um segundo lugar na Miami 200, prova realizada em fevereiro no autódromo norte-americano de Homestead, o paulista João Gonçalves voltou ao pódio no último fim de semana. Desta vez, porém, no degrau mais alto. Ele venceu na primeira etapa do Campeonato Interestadual de Spyder Race (bateria de domingo), realizada no último fim de semana (15 e 16/3) em Interlagos, São Paulo, e mostrou que não “perdeu a mão” do circuito paulista mesmo depois de 18 meses sem competir no país.

“É muito bom voltar a Interlagos, e sobretudo com uma vitória”, comemorou o piloto. “Fazia muito tempo que eu não competia por aqui, e estou bastante feliz por ter sido competitivo. Só tinha tido uma experiência na Spyder Race há quase dez anos, então considero essa prova praticamente uma estreia. Por isso estou ainda mais satisfeito. Minha adaptação foi rápida e, além disso, tive nas mãos um carro incrivelmente bem acertado pela equipe Guerra Motorsports”, revelou o piloto.

Reforçando a opinião das dezenas de pilotos que já disputaram a Spyder Race desde que a categoria foi criada, no início dos anos 2000, João Gonçalves elogiou o comportamento do carro e o nível técnico exigido por ele para uma pilotagem competitiva.

“Este é um carro muito prazeroso de guiar e, sobretudo, muito técnico. O Spyder é um carro rápido não apenas nas retas, mas principalmente no contorno das curvas. Ele exige sensibilidade do piloto experiente, e também é adequado para quem está dando os primeiros passos no automobilismo. Por isso considero esta uma categoria fantástica. Quem tiver a oportunidade de pilotar um Spyder de forma competitiva estará pronto para disputar qualquer categoria de turismo do mundo”, acrescentou o campeão da temporada 2012 da Audi DTCC.

O piloto paulista começou a desenhar a vitória ainda na primeira curva. Quarto colocado no grid, ele surpreendeu os adversários ao contornar o “S do Senna” já na primeira posição. “A largada foi decisiva para esta vitória, pois não precisei me preocupar com ultrapassagens durante a prova. Mesmo assim, não foi uma corrida fácil, pois tive que trabalhar muito no controle do ritmo de corrida”, acrescentou.