Organização do principal rali do planeta fará anúncio nesta quarta-feira (23) em coletiva de imprensa na França. Klever Kolberg vê mudança como fator positivo

A edição 2011 do Dakar foi a terceira de sua história no continente sulamericano, com seu trajeto contemplando apenas a Argentina e Chile no percurso Buenos Aires-Arica(Chile)-Buenos Aires. Em 2012, no entanto, deverá haver mudanças. O diretor do evento, Etienne Lavigne, deverá confirmar nesta quarta-feira (23), na França, que o Peru fará parte da próxima edição do maior rali do planeta – a quarta na América do Sul.

“Ainda falta a confirmação oficial, mas se isso acontecer, pela primeira vez o trajeto não será no formato de um circuito (com largada e chegada na cidade portenha). Ao que tudo indica a prova começará na Argentina, atravessará a Cordilheira dos Andes para chegar ao Chile, e depois seguindo para o norte, cruzando a fronteira com o Peru e terminando na capital, Lima”, explicou Klever Kolberg, que tem 23 participações no rali mais perigoso do mundo.

Segundo o piloto do Valtra Dakar Eco Team, pioneiro na utilização de etanol na competição, a presença do Brasil no trajeto da edição 2012 parece completamente descartada.

Outro país, no entanto, poderá entrar na rota do Dakar, mas apenas em 2013. “Foi divulgado na Europa que Etienne Lavigne teve um encontro com o presidente da Bolívia, Evo Morales, para conversar sobre a possível inclusão do país em 2013. Lavigne teria dito que a viabilidade depende de medidas de segurança e de alternativas para contornar os problemas que a altitude pode gerar, especialmente para o voo de helicópteros que dão cobertura médica aos competidores”, ressaltou Kolberg.

Para Klever, campeão do Rally dos Sertões de 2010 na categoria Etanol, a inclusão do Peru é um novo desafio. “Já competi duas vezes no Peru, no extinto Rally dos Incas, numa época em que os conflitos civis atrapalhavam a competição. Hoje o momento é de estabilidade e o terreno é perfeito para a prova”, analisou o piloto.

“Mas a organização também deve pensar numa atualização do regulamento para os carros a fim de diminuir os custos, dar mais segurança e permitir reabastecimentos, tornando os combustíveis verdes e renováveis mais atrativos. O regulamento de motos e caminhões sofreu várias mudanças, algumas radicais, mas que ajudaram a manter o sucesso da prova. Chegou a hora dos carros e da sustentabilidade”, disse Klever.

Atual campeão do Dakar e do Rally dos Sertões na categoria motos, o espanhol Marc Coma também se mostra empolgado, como Klever, com a decisão da organização do principal rali do mundo em incluir o Peru no trajeto da competição, apesar de ser um território desconhecido para o catalão. “Continuar mudando e descobrir novos territórios sempre é interessante para o Dakar. Para nós o Peru é um território desconhecido, pelo menos para mim, isso é uma nova motivação, um novo desafio. Já estamos tentando estudar as características deste país, tentando identificar o tipo de terreno que temos pela frente”, declarou à agencia de notícias Reuters o Coma.

Sobre Klever Kolberg: Engenheiro, palestrante e piloto. Pioneiro brasileiro no Rally Dakar, onde já representou o Brasil por 22 vezes. Klever começou no Dakar competindo de moto, entre 1988 e 1996, sagrando-se campeão da categoria Motos Maratona em 1993, ano em que foi o quinto colocado no geral. A partir de 1997 passou a disputar o Dakar entre os carros, obtendo o título vice-campeão na categoria Carros Maratona em 1999 e 2000 e na categoria Carros Diesel em 2002. Também é pioneiro e criador no Dakar da categoria Experimental para combustíveis limpos, onde em 2010 foi o primeiro a utilizar Etanol de Cana de Açúcar como combustível. Na maior prova off-road do país, o Rally dos Sertões, Klever é bicampeão da categoria carros e foi o campeão da categoria Etanol em 2010, tendo sido o vice-campeão na classificação geral. É autor de três livros sobre o assunto e é comentarista de rali no canal ESPN desde 2007.

Sobre Flavio Marinho de França: Cirurgião-dentista e navegador, começou competindo com motos em 1992, nas modalidades de Enduro de Regularidade e Rally Cross-Country. Em 1995 passou a competir também com carros como navegador em provas de Rally de Regularidade e Rally Cross-Country. Em 2009 passou a competir também em rallys náuticos com barcos. Flavinho, como é mais conhecido, participa do Rally dos Sertões desde 2003 quando foi campeão na categoria Production Gasolina ao lado de Paulo Buda. No Sertões 2005 foi campeão na categoria Super-Production Diesel ao lado de Riamburgo Ximenes, em 2010 foi o campeão da categoria Etanol ao lado de Klever Kolberg, tendo sido o segundo na classificação geral. Flavio é Bicampeão do Rally Cerapió (2006 e 2007), Campeão do Rally RN 1500 em 2003, Tricampeão Brasileiro de Rally de Regularidade (2003, 2004 e 2006) e desde 2008 é organizador de provas de Rally de Regularidade no RN.

O Valtra Dakar Eco Team é patrocinado pela Valtra, e apoiado por Borrachas Vipal, Banco Fator, Veolia Water, Artfix, Sparco, Dakar Inovação, Arycom e Unica.