Tricampeão da Stock conquista terceiro lugar na 1ª bateria e fecha em quinto na 2ª corrida do FIA WTCC no Paraná

Cacá Bueno tinha uma missão clara ao decidir participar da etapa brasileira do Mundial de Turismo FIA WTCC nesse domingo (20/3) em Curitiba: mostrar que os pilotos brasileiros podem competir de igual para igual com os melhores do mundo em categorias de turismo, como há décadas fazem nas categorias de fórmula.

Missão cumprida. Nas duas baterias disputadas hoje na capital paranaense, Cacá esteve entre os ponteiros e sempre próximo do ritmo do líder.

Na primeira bateria, partindo em terceiro no grid, Cacá fez boa largada e poderia ter arriscado uma ultrapassagem na entrada do S de Baixa, mas preferiu ser conservador e segurar sua colocação. O brasileiro veio no mesmo ritmo dos companheiros de equipe Chevrolet, o inglês Rob Huff e o francês Yvan Muller (atual campeão mundial), e cruzou a linha de chegada a menos de 4s do inglês, após 14 voltas.

A bandeira do Brasil subiu ao pódio e fez a alegria dos fãs em Curitiba.

“Me sinto muito feliz de colocar nossa bandeira nesse lugar”, confessou o tricampeão da Stock Car, que se dividiu com a categoria nacional nesse final de semana – na Stock, acabou em 11º na corrida vencida por Thiago Camilo. “Depois de uma prova extremamente complicada na Stock, foi muito bom ver as coisas dando certo para mim aqui no WTCC”.

Nem champagne houve no pódio da primeira bateria, porém: 25 minutos após a bandeira quadriculada para Huff, o box já se abria para a bateria seguinte.

Dessa feita, Cacá alinhou em quinto – por ter sido o sexto na primeira fase da classificação de sábado, que define o grid também da segunda bateria, mas com os 10 primeiros invertidos – e patinou um pouco na luz verde, perdendo duas posições, justamente para Muller e Huff.

“Destracionei um pouco na largada e tive de tirar o pé; nisso, o turbo descarregou e levou um certo tempo para “encher” de novo”, explicou.

O brasileiro subiu para sexto ainda na primeira volta, superando o dinamarquês Michel Nykjaer. Duas voltas depois, Cacá encaixou uma bela ultrapassagem em Gabriele Tarquini, trocando tinta com o veterano italiano na freada da entrada do miolo para retomar a quinta posição.

“Foi o momento mais divertido da corrida. Ele me espremeu e arrancou meu retrovisor, mas foi uma ultrapassagem limpa”.

Daí em diante, com os companheiros de equipe Chevrolet que disputam a temporada inteira logo à frente, Cacá administrou a quinta colocação. O suíço Alain Menu, também piloto oficial da Chevrolet, que havia largado na pole e caído para segundo na largada, venceu após ultrapassar a BMW do holandês Tom Coronel na nona volta.

“No todo do final de semana, fiquei bastante satisfeito”, concluiu Cacá. “E a equipe também ficou, pelo que eles me passaram”.

Na despedida do autódromo, a frase dita para Cacá pelo chefe da equipe Chevrolet, Eric Neve, resume tudo: “Can we have you back?” (“Podemos ter você novamente?”). Se depender do brasileiro, é só convidar…

MUNDIAL DE TURISMO FIA WTCC – 1ª BATERIA (Top-10):

1) Rob Huff, Chevrolet, 14 voltas

2) Yvan Muller, Chevrolet, + 0.873s

3) CACÁ BUENO, Chevrolet, + 3.924s

4) Tom Coronel, BMW, + 12.714s

5) Kristian Poulsen, BMW, + 13.004s

6) Alain Menu, Chevrolet, + 13.402s

7) Gabriele Tarquini, SEAT, + 14.214s

8) Michel Nykjaer, SEAT, + 14.716s

9) Franz Engstler, BMW, + 19.100s

10) Mehdi Bennani, BMW, + 19.591s

MUNDIAL DE TURISMO FIA WTCC – 2ª BATERIA (Top-10):

1) Alain Menu, Chevrolet, 14 voltas

2) Tom Coronel, BMW, + 0.265s

3) Yvan Muller, Chevrolet, , + 0.973s

4) Rob Huff, Chevrolet, + 1.321s

5) CACÁ BUENO, Chevrolet, + 2.409s

6) Gabriele Tarquini, SEAT, + 4.512s

7) Javier Villa, BMW + 7.810s

8) Tiago Monteiro, SEAT, + 16.974s

9) Franz Engstler, BMW, + 17.751s

10) Pepe Oriola, SEAT, + 20.361s