Os pilotos fazem prova em terminais de computador

Kartista brasileiro fala sobre experiência em 2010; CBA indicará novo representante para 2011

Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 2011 – Às vésperas do processo de seleção que a Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) conduzirá para escolher o representante brasileiro no CIK FIA Karting Academy de 2011, o paulistano Vitor Franzoni comentou sua experiência na edição desse torneio no ano passado. A vaga nacional deste ano na competição organizada pela Comissão Internacional de Kart da Federação Internacional do Automóvel será preenchida por um brasileiro com idade entre 12 anos completados em 2011 e 16 anos completados a partir de 1º de janeiro de 2012 em um formato que a Comissão Nacional de Kart anunciará em breve.

A participação de Vitor Franzoni foi bancada pela CBA – que arcou com as despesas de passagem, estadia e alimentação do piloto – e pela CIK, que forneceu todo o equipamento necessário para disputar o torneio, facilidades que serão repetidas neste ano. Segundo Victor Franzoni, a experiência ajudou em muito sua carreira, que agora se prepara para começar nas categorias de fórmula:

“Participar do CIK-FIA Karting Academy Trophy me ajudou muito, e me deu visibilidade junto às várias fábricas de kart que acompanham a competição. Aprendi bastante, em todos os sentidos.”

A programação do evento inclui competições e aulas teóricas sobre os regulamentos da FIA: os pilotos recebem uma apostila como referência para um exame feito posteriormente. São 20 perguntas sobre história do automobilismo e também sobre os regras e obrigações dos kartistas; o conteúdo abrange itens que incluem até como o competidor deve agir diante de um exame antidoping. As respostas são coletadas em terminais de computador instalados no paddock e vencedor desta fase recebe um prêmio dos organizadores.

Além disso, os jovens participam de uma série de palestras que abordam temas de saúde, comunicação e comportamento esportivo. Esta fase ocorre nas manhãs da sexta-feira, sendo que na parte da tarde os concorrentes vão para a pista, com várias baterias de treino antes das corridas – são duas em cada um dos três eventos. Para Victor, o mais complicado foi o alto nível dos jovens adversários:

“Os meninos lá são muito competitivos, estão em um nível muito igual. Na corrida, tem que tentar fazer o maior número possível de utrapassagens, porque são apenas seis voltas nas eliminatórias. Fica todo mundo juntinho,se você for ultrapassado por um kart, acaba sendo ultrapassado por vários.”

Para Fábio Franzoni, seu pai e mecânico, a oportunidade abriu várias portas ao piloto “que, graças aos contatos feitos, realizou um treino com um carro de Fórmula Abarth da equipe Cram, na Itália.” Fábio destacou ainda que a “oportunidade oferecida pela CBA permitiu um aprendizado importante na carreira de Victor, em particular pela oportunidade de competir no exterior e pela forma como fomos recebidos por lá”.

Em 2011, o evento terá etapas em Ortona (Itália, dias 8, 9 e 10 de julho), Essay (França, 26, 27 e 28 de agosto) e no Bahrein (3, 4 e 5 de outubro). Como em 2010, a CBA, em conjunto com a FIA, bancará as despesas de viagem, alojamento e material de competição, incluindo pneus, combustível e macacão.

Segundo Fábio Franzoni, a programação e o horário também são bem rígidos e não permitem atrasos:

“É um pouco diferente do Brasil porque são muitos treinos, só que com uma duração bem menor, de 15, 20 minutos. Aqui, são menos treinos e eles são mais extensos, com cerca de uma hora. No começo, precisamos nos adaptar a sair da nossa tenda já com o kart acertado, mas logo pegamos o jeito. As provas também são mais curtas, o que exige uma pilotagem mais agressiva e até um preparo físico melhor”, finaliza o pai de Victor Franzoni.